terça-feira, abril 03, 2007

Reflexões sobre a crise aérea


PROCRASTINAÇÃO - Deixar para outro dia, ou para um tempo futuro, por motivos repreensíveis; adiar: Procrastinar tarefas. Delongar, demorar, retardar: Procrastinar uma decisão. vint 3 Usar de delongas
A crise dos aeroportos se arrasta há 06 meses, tempo suficiente para que, se não resolvida, ações consistentes fossem tomadas com esse objetivo.
O governo Lula bobeou e abriu uma brecha, uma fenda enorme, para a oposição e para os golpistas de plantão. As lições com a CPI do mensalão parece que não foram aprendidas. Lula naquela época ficou por um fio e só não caiu, ou perdeu a eleição por arrogância da oposição que se sentiu que já havia terminado com o seu governo e relaxou no embate.
Agora porém, eles, a oposição, podem ter aprendido a lição (depois do acontecido no último final de semana com a greve dos operadores, a ordem de prisão dada pelo Comando da Aeronáutica, a revogação da mesma ordem por Lula, a negociação aberta com os controladores e o descontentamento da Forças Armadas por essa decisão), estão colocando lenha na fogueira da desestabilização.
No episódio da contra ordem de Lula, dada nos EUA, à prisão dos sargentos decretada pelo Comando da Aeronáutica, tudo indica que as informações fornecidas e as avaliações enviadas ao Presidente pelo grupo governamental que gerenciava a crise aberta pela greve e consequente pânico instalado nos aeroportos, foram imprecisas.
Faltou avaliar como as Forças Armadas e principalmente a Aeronáutica se sentiriam com a desautorização dada. Não adianta, e é bobagem, contra argumentar que o Presidente é o Chefe Supremo da Forças Armadas, assim reza a Constituição, isso só esta no papel e não na cabeça dos envolvidos. Não somo maduros, democraticamente, e especialmente os militares, para aceitar e concordar com esse postulado. E com a contra ordem dada a oposição e a mídia atiçam os militares alegando desrespeito.
Presidente Lula, se você, como tudo indica, não tivesse PROCRASTINADO nessa questão aéro crítica, talvez a coisa estivesse em céu de brigadeiro.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog